domingo, 1 de maio de 2011

Chocolate quente.

Senta ai e vamos prosear. Faz tanto tempo que não te vejo não te sinto, pois me diga então, por onde você esteve? Tu sabes que és um "cadinho" de mim e o vermelhinho fica apertado sem ti, pois por ti é todo o amor que sinto. Sabes também que é um "cadinho" do que sou, não me deixe aqui por quando cá está, mais feliz sou. Afirmes pra mim que és bem mais do que sou e podemos ser bem mais do que somos. Não me abandones não, pra ti estou e por ti estarei, meu bemzinho. Moço... Que trazes a rosa vermelha no bolso do paletó e vem serenetar nas minhas terras pra paz trazer... Moço, moço, que essas modernidades não são pra nós e essas canções saem arrastadas, mas cabem bem pra esse amorzinho que te cativas. Homem, homem... por que me deixas assim tão só? Essas terras há ser tão grandes e o tempo é pouquim pouquim pra eu te esperar. Vem dançar porque é noite linda, moço, e a rosa ainda a de murchar. Não se encasqueta não, não avermelha não, porque coração diz que vermelho é a cor dele e que tu não podes roubar sua cor, pois pode desbotar o vermelhinho. Senta ai e vamos prosear porque tu tens pressa, mas meu amor é mansinho, mansinho...